Buona Giornata

clique para ampliar

Encontro de Oração pelos jovens de Santa Maria

Eu não me acostumo

"Não devemos nos acostumar ao bem e não devemos nos acostumar ao mal.
O bem tem que nos levar ao agradecimento. O mal a pedir desculpa.
Se vivermos isso, teremos consciência de estar vivendo perto de Deus."

[Ernesto OLIVERO - fundador do Arsenal da Esperança]

Por isso, mais uma vez, ontem saímos para ajudar em uma escola para crianças especiais. Mais uma vez pintamos, limpamos, varremos, carpimos, carregamos entulho... mais uma vez OBRIGADO ;)

Continuar... Eu não me acostumo

Aprendendo a construir

Depois do modulo teórico, começou hoje a parte prática do primeiro curso 2013 de Construção Civil do Arsenal da Esperança. Cada aluno irá aprender, em poucas semanas, a construir uma casinha completa! Uma vez terminado o curso, tudo irá ser derrubado para que também a próxima turma possa aprender o processo completo...

Continuar... Aprendendo a construir

Secretária LUCIANA TEMER visita o Arsenal

Luciana Temer, Secretária de Assistência Social, e Ana Estela Haddad, esposa do Sr. Prefeito Fernando Haddad visitaram hoje o Arsenal da Esperança.

Continuar... Secretária LUCIANA TEMER visita o Arsenal

A nossa fé se pode ver

O sol na chuva

Voltávamos de um encontro com um grupo de jovens. Na saída do Metrô, de repente, a chuva. Os minutos passavam e a chuva aumentava... Não dava para voltar até ao Arsenal. Na saída, alguns homens gritavam: “olha o guarda-chuva, olha o guarda-chuva...”. Um deles se aproximou e de repente nos disse: “Vocês não são do Arsenal? Eu fiquei lá um tempo. Lá encontrei ajuda. Querem um guarda-chuva? Eu empresto para vocês”. Sentimos dentro um grande sol brilhando.


Aniversário de casamento: 48 anos!

Com grande alegria, festejamos hoje os 48 anos de casamento de Marilena e Alfonso. A presença deles aqui no Arsenal da Esperança, ajudou muitos a se sentirem queridos. Isso com centenas de horas de serviço voluntário, com pequenos gestos: arrumando roupas, costurando, rezando. "O SIM verdadeiro é o SIM dito para sempre". PARABENS!

Continuar... Aniversário de casamento: 48 anos!

Nós nas bodas de Caná

João 2,1-11

Naquele tempo, houve um casamento em Caná da Galileia. A mãe de Jesus estava presente.
Também Jesus e seus discípulos tinham sido convidados para o casamento.
Como o vinho veio a faltar, a mãe de Jesus lhe disse: “Eles não têm mais vinho”.
Jesus respondeu-lhe: “Mulher, por que dizes isto a mim? Minha hora ainda não chegou”.
Sua mãe disse aos que estavam servindo: “Fazei o que ele vos disser”.
Estavam seis talhas de pedra colocadas aí para a purificação que os judeus costumam fazer. Em cada uma delas cabiam mais ou menos cem litros.
Jesus disse aos que estavam servindo: “Enchei as talhas de água”. Encheram-nas até a boca. Jesus disse: “Agora tirai e levai ao mestre-sala”. E eles levaram.
O mestre-sala experimentou a água, que se tinha transformado em vinho. Ele não sabia de onde vinha, mas os que estavam servindo sabiam, pois eram eles que tinham tirado a água.
O mestre-sala chamou então o noivo e lhe disse: “Todo mundo serve primeiro o vinho melhor e, quando os convidados já estão embriagados, serve o vinho menos bom. Mas tu guardaste o vinho melhor até agora!” Este foi o início dos sinais de Jesus. Ele o realizou em Caná da Galileia e manifestou a sua glória, e seus discípulos creram nele.


Video da encenação do Evangelho das bodas de Caná com os jovens do Anchietanum e os acolhidos e amigos do Arsenal da Esperança.

Anchietanum 2013 no Arsenal da Esperança

Vídeo sobre as atividades desenvolvidas no Arsenal da Esperança com os jovens do Anchietanum (janeiro 2013).

Como uma rocha...

O Arsenal da Esperança é como uma rocha que, 
no silêncio, 
todo dia,
se deixa levigar, formar e também desgastar
pela passagem incessante de milhares de pessoas.

Obrigado aos jovens da paroquia Santa Luzia

Os jovens da paroquia Santa Luzia, nas semanas passadas, arrecadaram doações para confortar as pessoas que pedem ajuda no Arsenal da Esperança. Hoje foi o dia da entrega e foi grande a alegria em conhece-los! O nosso OBRIGADO por este gesto de solidariedade.



Ano da Fé: rezar com os ícones

Deus se revela por palavras, mas também se revela por imagens, como ensina a Igreja ortodoxa. Cristo, “a palavra de Deus” (Jo 1,1) é também “a imagem do Deus invisível” (Col 1,15; Jo 1,18). Por esta razão, São Teodoro (759-826) dizia que “tudo o que está gravado com papel e tinta nas Escrituras, está gravado nos ícones com vários pigmentos e outros materiais”.

 


 No Ano da Fé, a Fraternidade da Esperança inicia, nesta terça-feira promove uma série de encontros chamados “A NOSSA FÉ SE PODE VER”. Vamos rezar e refletir a partir dos ícones, que são uma espécie de “janela aberta para o divino” e que nos remetem para uma mensagem de fé, a “visão do Invisível” (Hb 11, 1). Começaremos com o tema “JESUS”, ajudados pelo ícone do Cristo Pantocrátor, um dos mais significativos e difundidos da iconografia oriental.  

Como sempre, os encontros são abertos a todos que quiserem crescer junto conosco, na esperança e na vontade de fazer o bem. Terça-feira, 20h, no Arsenal da Esperança.

Luz Divina

"Para cuidar de si, precisa cuidar dos outros". Com estas palavras, Padre Alexandre Raimundo de Souza, sj (da casa jesuíta Anchietanum) concluiu a Santa Missa de hoje. 
Logo em seguida, a assembleia se despediu com as notas da musica "Luz Divina" cantada pelo coral do Arsenal da Esperança e acompanhada pelas vozes dos jovens do Anchietanum.


O Haiti é aqui... na sala número cinco

“Eles têm uma fala diferente” – comentam os acolhidos da casa – e todo dia, por volta de 19h, se encontram com a Sônia e o Alexandre. Também hoje a sala número 5 da Alfabetização está lotada: “Todo dia é assim, eles vêm para aprender nosso idioma... São haitianos, africanos, alguns asiáticos. Muitos chegam aqui falando apenas o crioulo francês, mas são alunos muito esforçados... um deles já escreveu um poema em português! – diz a Sônia, entusiasta.
Hoje foi um dia especial: a “aula” foi um momento de encontro e de partilha com Antenor Rovida, que acabou de voltar do país caribenho onde acompanhou um projeto de ajuda humanitária no departamento de Nippes (sul do Pais).

A sala número cinco tornou-se uma “pequena Haiti”, uma “casa-ponte” entre a memória (muitas vezes dolorosa) da terra de origem e “sonho brasileiro”!

É preciso AMAR!

Toda vez que um Grupo da “Floresta que Cresce” sai do Arsenal da Esperança para fazer uma “Ação”, não é apenas para fazer, mas é PARA AMAR, compartilhando um pouco de nosso coração, entendimento, forças, esperança. Na maioria das vezes, não sabemos exatamente se isso será útil, eficaz, transformador, duradouro... mas sabemos que é coisa boa, solidária, gratuita, transparente, colocada à disposição de Deus e de quem nos acolhe.

Os padeiros, que trabalham durante a madrugada para nos dar o pão, na maioria das vezes não conhecem as pessoas que comerão aquele pão, mesmo assim misturam farinha, água e fermento em quantidades certas para que se alimentem bem.

Todos nós deveríamos ser um pouco como os padeiros que, se revezando dia e noite, produzem pão para quem tem fome e rezam para que o Senhor transforme aquele pão em conselho, conforto, coragem, o que Ele quiser...

Se o nosso coração e a nossa mente fazem isso com pureza, cada nossa ação será importante como o pão e, de repente, depois de muito tempo, a gente descubre que aquele gesto, aquela palavra, aquela ação... foram fundamentais para alguém, fizeram a diferença entre a vida e a morte. É preciso AMAR! Esta é a nossa bandeira, a nossa primeira tarefa.

Fraternidade da Esperança

 

Questo sito utilizza cookie, anche di terze parti, per migliorare la tua esperienza e offrire servizi in linea con le tue preferenze.

Chiudendo questo banner, scorrendo questa pagina o cliccando qualunque suo elemento acconsenti all’uso dei cookie.

E' possibile modificare le opzioni tramite le impostazioni del Browser. Se vuoi saperne di più o negare il consenso clicca su informazioni.